05/04/2024 às 17:15 Entrevistas

Entrevista com Sami Perttula (Korpiklaani)

90
5min de leitura

Entrevistei Sami Perttula, o acordeonista do Kopiklaani, sobre o novo álbum "Rankarumpu". Confira!

1. Parabéns pelo álbum "Rankarumpu". Existe algum conceito que de alguma forma conecte todas as músicas ou elas funcionam de forma independente? O que você pode nos dizer sobre as inspirações por trás deste disco?

Não podemos referir-nos ao Rankarumpu como um álbum conceitual. Talvez a linha tênue que impulsionou o trabalho de produção tenha sido uma situação instável que reina na Europa hoje em dia. A Rússia ataca a Ucrânia logo após tudo estar prestes a voltar ao normal após a covid. O futuro parece desconhecido e há nuvens negras no céu. Não somos uma banda política, mas reagimos ao sofrimento humano e não há vencedores na guerra. Cada álbum é diferente e tem um certo tipo de atmosfera. Este é provavelmente mais direto, rápido e fácil de ouvir do que alguns dos nossos anteriores.

2. A música "Aita" tem uma introdução muito forte e acelerada. Como foi a composição desta música e qual foi a ideia por trás de começar tão rapidamente com o violino?

"Aita" é uma música mais recente, Olli a fez em 2022. Jonne estava muito receptivo a ele fazer novas músicas para o Korpiklaani, ele estava tipo "vai em frente, absolutamente, quanto mais pessoas fazendo música, melhor!" Então Olli começou a brincar com alguns temas durante o verão e construiu os "esboços" da música. Na verdade, Olli planejava esta como uma faixa instrumental no início, mas Jonne começou a escrever letras imediatamente após receber a demonstração. O longo interlúdio instrumental e parte solo são interessantes. Lembro-me de Olli dizer que estava um pouco lutando com a cadência solo quando começamos a ensaiar a música para os concertos - provavelmente é um pouco difícil de tocar com violino.

3. Falando de música acelerada, este álbum é bastante enérgico no geral. Como a banda decidiu adotar esta abordagem mais rápida desta vez?

Nosso primus motor - Jonne - tem uma grande habilidade de se renovar para cada álbum. Eu diria que nunca fizemos dois discos com sons completamente semelhantes. A banda ainda está se desenvolvendo e avançando, mesmo sendo nosso 12º álbum de estúdio! Sei que Jonne se inspira facilmente quando recebe uma nova guitarra em seu estúdio em casa... desta vez ele decidiu pegar uma guitarra Jackson Rhoads e, se me lembro bem, as primeiras demos que recebemos dele foram aquelas músicas rápidas no estilo thrash.

4. O folclore finlandês é rico em histórias. Imagino que haja muitos contos intrigantes que as pessoas fora da Finlândia possam não estar familiarizadas. Você poderia compartilhar o seu favorito?

Vejo que as histórias mitológicas geralmente lidam com temas atemporais e, portanto, são fáceis de abordar para todos. É por isso que essas histórias permanecem vivas geração após geração e as histórias são fáceis de identificar. Por exemplo, algumas histórias falam sobre um desejo desesperado de ser amado, enquanto outra lida com o cuidado da mãe por seu filho quando ela vai salvá-lo do rio do submundo. Sempre há algo para todos. Minha história favorita depende do dia e do humor que estou passando.

5. O Korpiklaani sempre usou instrumentos diferentes de outras bandas de metal, como violino e acordeão. Houve algum preconceito contra isso nos primeiros dias de sua carreira? Como você lidou com isso?

Como acordeonista, não enfrentei nenhuma piada direta sobre meu instrumento, pois acho que muitos músicos que trabalham na cena musical são profissionais - e preconceitos e olhar para baixo para o instrumento de outra pessoa não é realmente uma atitude profissional. Ainda consigo entender facilmente que algumas pessoas possam ter preconceitos sobre a mistura de instrumentos tradicionais com música metal - não faz parte da montagem clássica de uma banda de metal. O acordeão é um instrumento marginal hoje em dia e muitas pessoas conectam o acordeão apenas à música de dança para idosos. Isso não é toda a verdade e hoje em dia os acordeonistas profissionais lidam com muitos tipos de música. No nosso contexto, acredito que esses instrumentos especiais ajudaram muito a banda a ser mais do seu próprio tipo e tornaram nosso som original.

6. Qual foi a reação dos fãs nos primeiros shows em relação ao novo material que vocês lançaram? Vocês já tocaram algum single?

Há algumas semanas, voltamos da turnê no Reino Unido e já tínhamos "Saunaan" e "Aita" em nosso setlist! Parece que o público já adaptou essas músicas. O feedback tem sido realmente positivo. Começamos nossa turnê nos Estados Unidos e Canadá após algumas semanas e lá vamos tocar mais músicas de "Rankarumpu".

7. Os maiores sucessos do Korpiklaani, pelo menos no Spotify, são "A Man with a Plan" e "Vodka". Que memórias vocês têm de compor essas músicas? Ou que memórias vocês têm delas em geral?

Lembro-me quando ouvi a demo de "A Man with a Plan" pela primeira vez. Tive a ideia de uma música de festa e compus as partes de acordeão e violino para ela. Aconteceu surpreendentemente bem e foi na verdade a primeira música que arranjei para a banda, já que o álbum "Noita" foi o primeiro álbum do Korpiklaani em que eu estava cuidando das partes de acordeão, então eu estava realmente nervoso também. Uma vez perguntei a Jonne sobre a música "Vodka" se ele percebeu no momento em que estava gravando que seria uma música de sucesso. Ele apenas respondeu que geralmente se sente esse tipo de coisa.

8. Vocês vão sair em turnê com o Illumishade e o Visions of Atlantis. Qual é a sua opinião sobre essas bandas?

Já conhecemos alguns dos membros do Illumishade porque eles têm conexão com Eluveitie. Tenho certeza de que vamos nos divertir muito na turnê!


9. Vocês começaram com o nome Shaman. Aqui no Brasil, também havia uma banda chamada Shaman no início dos anos 2000. Ouvi dizer que a razão pela qual o Shaman brasileiro teve que mudar seu nome para Shaaman, com dois "a's", foi por causa de vocês. Vocês se lembram dessa história?

Acho que a pressão veio da Napalm Records - a banda tinha um contrato com eles na época. Eles pediram para mudar o nome porque havia uma banda brasileira chamada Shaman. Jonne decidiu que Woods Clan poderia ser um nome legal porque era isso que nós éramos. Caras finlandeses da floresta e do campo. Então eles perguntaram à Napalm Records o que Woods Clan significava em finlandês e o nome da banda se tornou Korpiklaani.

10. Recentemente, um produtor de shows aqui no Brasil disse que teve que repintar o camarim em que vocês estavam porque tinha um cheiro desagradável depois que vocês o usaram! {risos}. É verdade que suas festas são tão grandes que deixam rastros?

Eu não sei porque não temos a chance de visitar o camarim no dia seguinte ao show, porque geralmente já estamos indo para o próximo camarim em outro local! Talvez seja nossa sorte! Saúde!

05 Abr 2024

Entrevista com Sami Perttula (Korpiklaani)

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Korpiklaani

Quem viu também curtiu

23 de Jun de 2021

“Foi o Sid Vicious quem me inspirou a criar o Helloween e o power metal!” – Entrevista com Michael Weikath (Helloween)

20 de Abr de 2022

Entrevista: Timo Tolkki (ex-Stratovarius) fala sobre "Visions", Andre Matos e mais

20 de Ago de 2022

Entrevista com Júlio Ettore - Rock Nacional 1980