14/04/2022 às 17:02 Entrevistas

Entrevista: Biff Byford (Saxon) fala sobre novo álbum “Carpe Diem” e muito mais!

17
5min de leitura

Cria da chamada “nova onda do metal britânico”, o Saxon escreveu seu nome na história da música pesada com músicas icônicas como “Princess of the Night”, “Crusaders” e “Denim and Leather”. Em mais um capítulo dessa trajetória, o recém-chegado álbum “Carpe Diem” já deu o que falar. Conversei com o vocalista Biff Byford sobre essa nova empreitada e também sobre vários aspectos dessa longa carreira! Boa leitura!

Gustavo Maiato: Parabéns pelo lançamento de “Carpe Diem”! É um registro incrível. Como você está sentindo a reação dos fãs até agora?

Biff Byford: Obrigado! Estamos muito satisfeitos com a forma como o álbum ficou e as reações dos fãs foram incríveis.

Gustavo Maiato: Minha música favorita do novo disco é provavelmente “The Pilgrimage”. É meio que uma balada e fala sobre a jornada na vida, certo? Qual foi a inspiração por trás da letra e o que você lembra sobre o processo de composição dessa música?

Biff Byford: Sim, “The Pilgrimage” é sobre ir e visitar um lugar que você sente que é especial em sua vida ou alguém que significou algo em sua vida, não estritamente de maneira religiosa. As pessoas fazem todo tipo de peregrinação o tempo todo, para encontrar respostas, é disso que trata a música.

Gustavo Maiato: O novo disco chama-se “Carpe Diem”. Por que você escolheu este título em particular? Você acha que a tecnologia moderna (internet e mídias sociais) precisa de alguma forma ser evitada para quem quer “carpear” seu “diem”?

Biff Byford: Eu visitei a Muralha Romana e a Muralha de Adriano, que se estende por toda a Inglaterra há pouco tempo. Quando você anda pela área, você vê esta mensagem em todos os lugares: “CARPE DIEM” (Aproveite o dia). Aparentemente era isso que os romanos costumavam dizer a um outro regularmente. E eu pensei que isso é uma coisa muito poderosa de se dizer... Aproveite o dia! Viva ao máximo.

Gustavo Maiato: Há pouco tempo você lançou um disco solo chamado “School of Hard Knocks”. Em que esse disco é diferente ou parecido com “Carpe Diem”?

Biff Byford: “School of Hard Knocks” é muito pessoal… Estou cantando sobre meu passado, claro, e sobre coisas que gosto, mas principalmente queria que refletisse a mim, minha personalidade e minha vida. Em termos de música, é mais diversificado e não apenas focado no heavy metal (ao contrário do “Carpe Diem” e do Saxon). Eu queria que fosse uma amostra do tipo de música que eu gosto, do metal ao rock 'n' roll”.

Gustavo Maiato: Em 1981, você lançou o disco “Denim and Leather”. O título da música fala sobre o espírito do headbanger. Aquele cara que compra ingressos, compra discos, sai com os amigos metaleiros. Se essa música fosse escrita hoje em dia, que novos aspectos do “metal way of life” você acha que precisariam estar na letra? Quero dizer, como você acha que os headbangers se expressam hoje?

Biff Byford: Nesse sentido, não acho que haja muita diferença: nossos fãs ainda compram ingressos, ainda compram discos, ainda passam tempo com os amigos. Pode não ser tão popular hoje em dia, mas a paixão ainda é forte.

Gustavo Maiato: No disco “Inspirations” você fez uma versão de “Speed ​​King”, do Deep Purple. Qual é o papel do Deep Purple na sua vida? Você se lembra do que sentiu quando as ouviu pela primeira vez? E como foi gravar “Speed ​​King”?

Biff Byford: O Deep Purple foi realmente influente: sem “Speed ​​King” não haveria “Motorcycle Man” para ser honesto... Eu amo a atitude, energia e velocidade desta música, sem mencionar aqueles vocais gritantes! Eu nunca tinha cantado essa música antes de gravarmos para o “Inspirations” e me diverti muito com isso. Toda a experiência de gravação foi muito divertida, fomos a uma mansão, montamos e gravamos tudo ao vivo, como aquelas big bands faziam nos anos 70

Gustavo Maiato: A música “Princess of the Night” é sua música mais popular de acordo com o Spotify. Eu sei que é sobre um trem antigo na Inglaterra. Mas o que você se lembra sobre escrevê-la?

Biff Byford: Eu queria fazer uma música sobre um trem a vapor, porque isso era algo que eu gostava muito quando estava crescendo em West Yorkshire. Alguns de nós, crianças, costumávamos descer ao viaduto à noite e ver o trem do correio passar. Então, em nossos primeiros dias, a banda estacionava a van em Barry Island em Glamorgan, um cemitério de trens a vapor. Costumávamos tentar roubar coisas deles também. Então, eu tinha em mente fazer uma música que celebrasse o que era, mesmo em 1980, uma era passada. Bem, nem todos os países do mundo gostam de trens a vapor hoje, e enquanto as pessoas cantam junto com o refrão, elas não necessariamente conhecem todo o resto das letras. Por exemplo, no Japão tivemos que explicar do que se tratava. Eu acho que eles tinham suas próprias teorias sobre o que uma ‘princesa da noite’ poderia ser…

Gustavo Maiato: O Saxon faz parte da “nova onda do heavy metal britânico”. O que você acha que é a coisa mais importante que esse movimento trouxe para o heavy metal em geral, musicalmente falando?

Biff Byford: Sabíamos que algo estava acontecendo, mas não sabíamos o que estava acontecendo. Foi só quando algumas das grandes revistas como Sounds, NME, Melody Maker, começaram a escrever sobre Saxon e Iron Maiden e algumas das outras bandas que estavam por aí, que realmente começamos a entender que algo estava acontecendo. Nós temos nosso próprio nome, 'New Wave Of British Heavy Metal', ou 'NWOBHM', ou seja lá como eles chamam. É a coisa mais ridícula que eu já ouvi na minha vida, mas aí está.

Gustavo Maiato: A música “Crusader” é outro clássico. Fala dos conflitos entre cristãos e pagãos. Quando você entrou em contato com esses assuntos pela primeira vez e por que decidiu abordar esse tema? Você gosta de história e todas essas coisas?

Biff Byford: Sou fascinado pela história, me inspiro muito nas músicas e letras da história, em geral. Em “Carpe Diem”, por exemplo, a música “The Age of Steam” é sobre a Revolução Industrial, é um tópico realmente interessante, pois até quando a pequena máquina a vapor foi inventada, estávamos todos andando a cavalo e puxando coisas com vacas e outras coisas… e de repente, as máquinas estavam fazendo isso, mudou a vida de todos em tão pouco tempo, um pouco como a tecnologia e a internet recentemente, se você pensar bem.

Gustavo Maiato: A morte é uma parte natural da vida e em todos esses anos muitos rockstars já faleceram, como Dio, Lemmy, Eddie Van Halen etc. Qual morte de rockstar você mais sentiu e por quê?

Biff Byford: Lemmy! Eu o conhecia há 36 anos – se você era amigo dele, era amigo dele para a vida toda. Ele era um rebelde desafiador até o fim que amava sua música e nunca se comprometia. Fizemos tantas turnês com Lemmy & Motörhead que ele provavelmente era o mais próximo do meu coração, pois eu o conhecia bem. Quando lançamos “Thunderbolt” em 2018, escrevemos uma música para ele “They Played Rock N Roll” como uma homenagem. Ouça a letra e você entenderá.

14 Abr 2022

Entrevista: Biff Byford (Saxon) fala sobre novo álbum “Carpe Diem” e muito mais!

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

biff byford saxon

Quem viu também curtiu

23 de Jun de 2021

“Foi o Sid Vicious quem me inspirou a criar o Helloween e o power metal!” – Entrevista com Michael Weikath (Helloween)

20 de Abr de 2022

Entrevista: Timo Tolkki (ex-Stratovarius) fala sobre "Visions", Andre Matos e mais

13 de Dez de 2021

Entrevista com o guitarrista Roby de Micheli (Rhapsody of Fire)