18/03/2022 às 20:39 Resenhas de Discos

The Giant Void acerta ao não negligenciar melodia e variedade em meio aos riffs pesados

11
1min de leitura

A estreia do trio brasileiro The Giant Void com o álbum “Thought Insertion” mostra que a banda já nasceu madura, ou pelo menos com uma grande noção de arranjo e senso melódico. O que isso quer dizer?

Em primeiro lugar, uma boa variedade de influências e atmosferas ao longo do disco, mas com uma espinha dorsal no metal clássico bem feita. Músicas mais agressivas e pesadas como “Chernobyl” e “Pale Blue Dot (Meant to Last)” são revezadas com respiros mais cadenciados como os de “Ordinary Man” (essa com um quê de Tony Iommi) e a abertura “Voidwalker”.


Outro trunfo é a voz marcante de Hugo Rafael, que vai do gutural ao suave, passando pelo rasgado – que é onde estaciona mais vezes. Isso deixa o tempero mais heterogêneo, sem cansar o sabor.

Vale destaque para a melhor do álbum: “Beltalowda”, com sua genial intro “hardão 1980” e bumbo pulsante que transporta o ouvinte para a vibe proposta. Se tivesse um teclado azeitando a mistura, não tinha para ninguém!

Por fim, “Thought Insertion” é uma aula de arranjo e peso. A banda ousa em alguns pontos, como a presença de versos em espanhol em “Bite the Bullet” (feitos por Adrian Barilari, da banda argentina Rata Blanca), mas no geral o que se ouve é uma genuína releitura de sonoridades que marcaram a construção do metal ao longo das últimas décadas. 


18 Mar 2022

The Giant Void acerta ao não negligenciar melodia e variedade em meio aos riffs pesados

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

the giant void

Quem viu também curtiu

15 de Jun de 2021

Ao resgatar elo perdido intergeracional, Helloween prova que o inteiro é maior que a soma das partes

08 de Abr de 2022

Shaman aponta para o futuro e faz de “Rescue” muito mais do que um resgate interno

28 de Jan de 2021

Resenha de disco: "Marching Out Of Babylon" - Pantokrator